Futebol luso brasileiro

Como todos já ouvimos dizer, o “Brasil é o país do futebol”. Parece fácil expressar isso já que os elementos para a afirmativa são contundentes: é a nação que mais venceu Copas do Mundo e possui o maior número de atletas diferentes que já conquistaram a bola de ouro da FIFA. Além disso, continua sendo o maior exportador de jogadores do mundo.


Entretanto, o futebol evoluiu e o Brasil, de alguma forma, parou no tempo. Nos apegamos à “máxima” de “país do futebol”, nos acomodamos e não nos preocupamos em estudar e entender toda sua complexidade. Apesar de ainda produzirmos muitos talentos, quando comparamos os números a outros países com dimensões territoriais muito menor, não estamos tão à frente, como, por exemplo, o Uruguai. A nossa média de público nos estádios (desconsiderando a pandemia) é inferior à vários países sem tradição no futebol e também à segunda divisão inglesa. O Campeonato Brasileiro tem sua liga com valor muito inferior às principais do mundo. Sendo assim, questionamos: como se auto chamar de país do futebol?


A derrota para Alemanha na Copa do Mundo de 2014 e a derrota do Santos para o Barcelona em 2011, ambas por placares elásticos, serviram de bomba relógio para iniciarmos, de fato, um estudo maior sobre o futebol. Desde então, a CBF tem se organizado, bem como outras instituições para formar conhecimento e capacitar mais os profissionais de todas as dimensões do futebol. O FutClass – Academia do Futebol (www.futclass.com.br), projeto que lhe convido a conhecer, é uma dessas iniciativas.


Ao contrário, do futebol brasileiro, o futebol português, em termos acadêmicos, seguiu caminhos contrários. Hoje, Portugal, sem dúvidas, é o maior produtor acadêmico sobre futebol do mundo. Inúmeros cursos, workshops e seminários são realizados, além da extensa produção bibliográfica. Treinadores são incentivados e tem o hábito de escrever, registrando suas ideias e compartilhando conhecimento. Portugal conseguiu criar uma rede de conhecimento muito forte e, claramente, vem colhendo frutos. Não somente a conquista da Eurocopa de 2016, mas, principalmente, a quantidade de profissionais portugueses espalhados pelo mundo, em diferentes ligas e nações, comprova a qualidade da escola. Portugueses tem ocupado posições de destaque no mercado do futebol.


Portanto, prezado leitor, fica muito claro o caminho que o futebol brasileiro precisa se espelhar. A junção da paixão pelo futebol com uma visão mais profissional, inspirada no que foi e está sendo feito pelos portugueses, certamente fará do futebol brasileiro mais organizado.


Até a próxima!


Caio Rodrigues Caldeira

Pós-Graduado em Direito Desportivo pelo CEDIN. Gestor em Futebol pela CBF e pela CBF Academy. Fundador do FutClass – Academia do Futebol.


7 visualizações0 comentário